Convencendo os outros que você não é capaz

Coluna Proseando com Ricardo Souza

Convencendo os outros que você não é capaz

Jeitoso. Esse era um dos meus vários apelidos. E era chamado de forma irônica por conta de minhas tentativas em fazer alguma tarefa mais elaborada sem sucesso. Lembro de meu irmão que, toda vez que eu não conseguia fazer algo, virava-se pra mim e dizia em tom de maldade: - Jeitoooooooso! Essa brincadeira acabou por criar em mim a verdade de que eu não tinha qualquer habilidade para concluir tarefas que exigiam mais atenção, a tal ponto que eu já avisava aos outros que eu não tinha competência para tarefas mais difíceis. E convencia as pessoas com essa falsa verdade.

Essa crença, ia direto como um alimento energético para meu crítico interior, aquele que mora em nosso cérebro reptiliano, fazendo com que ele me puxasse para a zona de conforto. A verdade é que, nessa mesma época, eu tinha um hobby que era montar modelos de navios e aviões da Revell. Eram milhares de pequenas peças para destacar, pintar e montar. O grau de dificuldade era enorme e eu passava horas montando com muito cuidado cada parte dos modelos, resultando em peças belíssimas e cheias de detalhes. Portanto percebi que até hoje, realmente quando uma tarefa não me agrada, não tenho paciência para executá-la.E, acabo por me irritar e largar a tarefa não concluída ou inacabada.

Somente aquilo que faço com paixão e que me preenche com um sentimento de completude me mostra a grande capacidade que tenho para realizar coisas extraordinárias.  Por isso insisto em dizer que devemos visitar nossa história, nosso passado, para podermos compreender quais os valores que temos hoje e como foram moldados pelas nossas experiências. Acreditar que você não tem competência e dizer para outros essa inverdade, é mais um tijolo colocado no muro que você mesmo constrói e que te fecha para as oportunidades. Hoje, mais do que nunca, precisamos nos convencer que, diante da era da informação fluida, aquela que não conseguimos segurar em nossas mãos e que à noite torna obsoleto aquilo que foi novidade pela manhã, precisamos manter o máximo de atenção para todas as novidades tecnológicas e comportamentais. Não podemos mais nos dar ao luxo de dizer que não temos competência para a tecnologia, por exemplo. Ou para qualquer outra coisa. Lembre que talento se constrói e que somos os seres com a maior capacidade de adaptação. Portanto, encare as novidades e aprenda a utilizar o que elas podem lhe proporcionar. Sem medo.