Copo Lagoinha: vários nomes e uma certeza, está em nossos corações!

Na coluna Mais Um Lúpulo as curiosidades do principal parceiro de um amante da cerveja.

Copo Lagoinha: vários nomes e uma certeza, está em nossos corações!
redutea
banner redutea
banner redutea

Boa sexta Lupulados!

Hoje é dia de falar de um ícone do universo cervejeiro. Eu, como bom mineiro, chamo de “Copo Lagoinha”, mas tem quem chame de “Copo Americano” e uma corrente de cervejeiros que adotaram uma expressão, sensacional, diga-se de passagem, de “Brazilian Pint”. Não importa como vocês chamem, a única certeza que temos é que ele é amado por todo e qualquer cervejeiro.

O Copo Lagoinha foi criado em 1947 pela empresa Nadir Figueredo e até hoje é produzido por ela. Ou seja, estamos falando de um setentão. Inspirado em modelos de copos produzidos nos Estados Unidos e utilizando uma máquina adquirida lá, Nadir redesenhou o design e o adaptou aos costumes brasileiros, mas o batizou de Copo Americano. Dizem que desde então, já foram mais de 6 bilhões de unidades produzidas. É muito copo!

Mas e de onde surgiu o Copo Lagoinha? Em meados dos anos 50 e 60, por meio do Armazém dos Irmãos Vaz de Mello, situado no boêmio bairro da Lagoinha, ele chegou em Belo Horizonte. E durante muito tempo esse foi o único lugar capaz de se encontra-lo. O copo caiu nas graças do público, se espalhou rapidamente pelos bares da região e dali para as casas dos belo-horizontinos. Pronto, com isso nascia o Copo Lagoinha!

Sua versatilidade e resistência fez com que ele dominasse amplamente o mercado na capital e se tornasse um item quase sempre presente, seja em padarias, bares, restaurantes, botecos e também em nossas casas. Lembro direitinho de uma caixa cheia deles na casa da minha mãe. E vamos ser sinceros, quem nunca sentou numa mesa de plástico, na calçada de uma rua de Belo Horizonte e tomou uma cerveja num Copo Lagoinha, não pode falar que conheceu Belo Horizonte.

Para fechar o assunto, duas curiosidades sobre nosso queridinho. A reputação e destaque de seu design é tanto que, em 2009, o Copo Lagoinha chegou ao Museu de Arte Moderna (MoMA) de Nova York e foi exibido em uma mostra que reunia produtos que representavam o estilo de vida brasileiro. Do buteco à Nova York é uma escalada de muito sucesso né?!

E por fim, em 2019, comemorando 20 anos de sua marca, a Cervejaria Wäls (@walscervejas) lançou a Wäls Copo Lagoinha, uma puro malte leve e clara do estilo Pilsen, com 4,2% de teor alcoólico e amargor de 20 IBUs. Uma cerveja levinha, bem a cara dos botecos de Belo Horizonte e ideada para ser consumida no “Copo Lagoinha”. Em seu lançamento ela foi exclusiva para venda apenas nos bares da tradicional região, mas hoje em dia, você consegue encontrá-la facilmente em qualquer supermercado. Celebrar o Copo Lagoinha então é a dica do final de semana. Cheers!

LEIA TAMBÉM:

Aquele meu amigo que mexe com cerveja!

Como não amar esse pet cervejeiro?

Dicas para beber uma boa cerveja no carnaval! Uma Escola Cervejeira com “E” Maiúsculo