Covid: A imbecilidade dos 'especialistas'

Excesso de informação também é desinformação.

Covid:  A imbecilidade dos 'especialistas'
Reprodução

Alô a todos.

Salve 2022. Primeiro é preciso dizer que sou vacinado triplamente pelo SUS com a Pfizer, acredito que a pandemia existe e é grave. Já perdi grandes amigos para essa doença e lamento cada uma dessas perdas (inclusive da família).

Por outro lado, é importante dizer que a ENXURRADA de reportagens, debates, narrativas (odeio essa palavra) chega à beira da ignorância. Nunca vi TANTOS “especialistas” aflorarem na mídia como senhores da verdade, sem nunca ter feito um dia de medicina, quanto mais infectologia e falam com uma certeza absoluta sobre o tema como se estivessem com um estetoscópio no ombro e um uniforme branco. Já vi oncologista travestido de jornalista falando de covid e – pior – jornalista travestido de médico pra provar a sua verdade. Com isso, afloram expressões lindas como “estudos realizados”, coinfecção, certezas absolutas e até “segundo estudos do consórcio de notícias, que nada mais é do que a Globo com vergonha do próprio nome.

Mas, ouvindo todos os lados de uma mesma “verdade” chego à conclusão que o que mais se tem é desinformação. Primeiro, um macaco teria transmitido a doença a um humano (famoso paciente zero). Depois o transmissor hospedeiro seria um morcego, depois um rato.

E tome desconhecimento. – Fique em casa, como se o isolamento impedisse que a doença se disseminasse com tanta velocidade. Depois fecham bares e restaurantes. Não. Vou consertar: Pequenos bares e restaurantes, porque nunca vi um Mac Donald’s ou Starbucks ter uma fitinha na porta, das prefeituras impedindo o funcionamento totalmente. Quem pagou o pato foram (que novidade hein?) os pequenos comércios e os pequenos comerciantes, que precisaram fechar portas por não ter estrutura pra poder esperar nem o fim dos tempos, nem o fim da doença. “Vamos cuidar da saúde. A economia a gente vê depois”, uma frase canalha que se perpetuou no meio político. Ora, como cuidar da saúde sem dinheiro nem pra passagem de ônibus. Nem pro arroz com o feijão? Cínicos. Covardes!

Daí a pouco viram que a tal CoronaVac tinha 25% de ineficácia. Depois 35%. Depois 50%.

E assim foram com TODAS as vacinas que se apresentaram.

Culpa do Governo. Culpa do Governador. Culpa do Prefeito! A terceirização da culpa tornou-se moda. Aliás, tudo o que é ruim no Brasil se torna moda.

Variante Alfa. Variante Delta, Variante Gama, Variante Mu, Variante Lambda, Ômicron... vendo as “notícias” que nos enchem com suas verdades, COVID 19 tem 20 variantes que afloraram da incompetência da ciência mundial para atordoar a nossa sociedade.

Agora, querem vacinar as crianças de 5 a 11 anos, sem sequer terem testado os efeitos colaterais da vacina nesta faixa etária. O que os pais devem fazer? Ora, em caso de dúvida, consulte o médico. ELE tem conhecimento do que é melhor para o seu filho. Não escute aquele vizinho que vota no Lula. Não acredite sem questionar o eleitor Bolsonarista. ELES NÃO SABEM NADA. Quem sabe um pouco mais são os profissionais de saúde, que apesar de também estarem

perdidos nas suas opiniões sabem melhor que esses políticos, jornalistas, colunistas que não sabem nem sequer medir a pressão arterial de uma pessoa. Hoje, não se sabe, se você está com Covid, ou H1-N1 ou H2-N3, H-3-N2, Influenza, resfriado, rinite, alergia... Tá todo mundo perdido em meio dessa bandalheira da imprensa mundial que não sabe de nada e finge saber de tudo. Gostaria de dizer finalmente duas coisas:

  • – Excesso de informação também é desinformação.
  • – Quem faz política com a doença alheia é tão doente quanto o É doente mental!

Saúde!

Até Sexta-Feira que vem.

As opiniões contidas nesta coluna não refletem necessariamente a opinião do portal Balcão News.

Qual é a sua reação ao ler esse conteúdo?

like
1
dislike
0
love
0
funny
0
angry
0
sad
0
wow
0
José Francisco Resende - Advogado, Mestre e Doutor em Comunicação Social. Foi superintendente da Lar Imóveis, pós graduando em pericia criminal e investigação forense, foi coordenador de Marketing da Federação do Comércio, Bens e Serviços – Fecomércio MG, coordenador nacional de marketing da Pharlab – Indústria Farmacêutica e CEO da Multicom do Brasil, empresa de Comunicação de âmbito nacional. Foi consultor do Grupo Balcão e especialista de comunicação. Palestrante do SEBRAE MG. Leia sua coluna toda sexta-feira no Balcão News!