Imersão na História da Arte - Parte III

História, Curiosidades, Reflexões - Coluna Meg E.

Imersão na História da Arte - Parte III
Freepik

Idade Média

A arte na Idade Média (século V ao XV) restringiu-se a Igreja Católica, que controlava as produções cientificas e culturais, fazendo com que muitas obras artísticas tivessem temática religiosa, sendo a principal característica o teocentrismo – Deus como centro do mundo.

Em 476 d.C., após queda do Império Romano, no Ocidente, iniciou-se a Idade Média, sendo seu fim em 1453, marcado pela tomada de Constantinopla pelos turcos.

Os membros da Igreja e os nobres detinham o conhecimento da leitura e da escrita e se organizavam política-administrativamente no sistema feudal, dividindo-se socialmente em rei, clero, nobreza e povo.

Nesse contexto a arte se desenvolveu em vários segmentos como pintura, arquitetura, música, literatura e escultura e os historiadores classificam a arte medieval nos períodos: Arte Bizantina, Estilo Românico e o Estilo Gótico. O traço comum entre esses estilos era a religiosidade.

Arte Medieval Inicial – Arte Bizantina

Era uma arte de natureza conservadora, caracterizada pela falta de realismo com assuntos predominantemente religiosos.

As pinturas eram planas, sem tridimensionalidade com assuntos sérios e sombrios, representadas pelos afrescos (pinturas feitas em paredes de igrejas) e painéis. A maior representação dessa arte foram as imagens de Cristo e da Virgem Maria.

Expressava a autoridade absoluta do imperador, como representante de Deus e com poderes temporais e espirituais.

O mosaico é a expressão máxima da arte bizantina.

Arte Medieval Românica

 Arte associada a cultura romana, desenvolvida no período denominado Alta idade Média (entre os séculos V e IX).

A arquitetura revelava paredes grossas, com o intuito de defesa. Prevalência das abóbodas e arcos de voltas perfeitas, em construções horizontais, com janelas estreitas.

Com temas essencialmente religiosos, a pintura e escultura se manifestou nas igrejas e castelos, com caráter ornamental, sendo de decoração mais simples e com o objetivo de instruir as pessoas sobre a religião.

Simbolizada pelo crescente desenvolvimento das cidades europeias e o poder dos mosteiros.

As igrejas cresciam em número e tamanho, sendo cada vez mais colossais.

A pedra era usada nas esculturas, representando as doutrinas da igreja.

Arte Medieval Gótica

Arte posterior à românica, no período denominado Baixa Idade Média (século X a XV). Demonstrava maior simplicidade.

Na arquitetura, as construções não possuíam paredes tão grossas, as janelas e portas eram maiores, com maior entrada de luz, prevalecendo os arcos de volta-quebrada (elementos geométricos que substituíam os arcos perfeitos românicos) e as ogivas (geometricamente mais difícil de ser projetada, mas que distribuía melhor as forças, aumentando a eficiência do complexo) usando os vitrais.

Os vitrais eram muito coloridos, com temas religiosos. Construíam também vitrais em rosácea e mosaicos.

A mais relevante característica desse período era a verticalidade, construções muito elevadas que induziam a proximidade com Deus.

As pinturas tornaram-se mais realistas, surgiram as universidades e aumento do comércio e uma nova classe que podia se dar ao luxo de encomendar obras de arte.

A Idade Média prevaleceu por 10 séculos.

Foram produzidos ao longo desse período, grandes monumentos e obras de arte arquitetônicas, como a Hagia Sophia (Basílica construída no período Justiniano, dedicada à Sabedoria de Deus) em Constantinopla, mosaicos em Ravena e manuscritos como os Evangelhos Lindisfarne (incluem Evangelhos de São Mateus, São Marcos, São Lucas e São João).

Nessa época, o ouro era um dos principais materiais usados. Aplicava-se folhas de ouro nos manuscritos, na fabricação de joias, fundos de mosaicos e em obras religiosas.

Artistas como Jean Pucelle (um dos mais influentes pintores góticos), Paolo Veneziano (estilo bizantino), Carlo Crivelli (exclusivamente religioso) compunham um arsenal de figuras que deixaram uma vasta obra, fonte de estudos e pesquisa.

A herança artística e influência da Idade Média prevalece até hoje através de suas obras, o qual rendeu diversos estilos e deixou caminho para estudos e interesse de colecionadores, voltados para uma arte de intenso significado histórico. O desenvolvimento de gêneros modernos da arte ocidental se espelha na grandeza desse período e continua sendo uma rica área de pesquisa.


Fachada vista da Piazza del Duomo / Wikipedia