Imersão na História da Arte - Parte X

História, Curiosidades, Reflexões - Coluna Meg E.

Imersão na História da Arte - Parte X
Foto: Reprodução/Ubá Brasil

Artes do Brasil

Toda arte produzida no Brasil, desde o período pré-colonial até os dias de hoje é designada de Arte Brasileira. Compreende as manifestações culturais indígenas, a arte do período colonial e todo registro de pintura vinda de viajantes estrangeiros em terras brasileiras.

Versada em uma pluralidade cultural, a arte brasileira passou por vários momentos marcantes e se estende até hoje.

Através de importantes sítios arqueológicos e o registro de pinturas rupestres nas cavernas, geralmente referindo-se a fenômenos da natureza e animais da região, essa arte magnífica começou a ser pesquisada e profundamente estudada, vindo a ser uma fonte inesgotável de conhecimento.

No decorrer dos anos, a arte indígena também se tornou objeto de estudo, principalmente através das peças de cerâmica. Mas todo esse acervo nacional teve forte influência europeia e após a vinda da corte portuguesa, em 1808, surgiram as primeiras escolas de belas artes e se formaram os primeiros artistas brasileiros, como Tarsila do Amaral, Di Cavalcanti, Oscar Niemeyer, Antônio Francisco Lisboa — o Aleijadinho, Anita Malfatti, dentre muitos outros.

Para contar toda essa trajetória e entender esse movimento cultural precisamos voltar no tempo e acompanhar o desenrolar dessa história.

Arte indígena brasileira

Antes da chegada dos europeus já havia manifestação de arte no Brasil, através dos povos indígenas. Havia nessa época cerca de cinco milhões de nativos, mas infelizmente grande parte dessa população foi morta pelos invasores europeus, destruindo também seus objetos artísticos e apagando um pouco de sua cultura. Com intensa produção de arte, principalmente na região amazônica, destacaram-se vasos antropomorfos e zoomorfos, estatuetas de terracota, pintura corporal, arte plumária, mantos, máscaras e cocares.

Arte rupestre brasileira 

De herança pré-histórica a arte rupestre pode ser observada e estudada em diversas cavernas principalmente no Pará, na Serra da Capivara, no Piauí e na região Nordeste. São desenhos de animais, fenômenos da natureza e visões dos primeiros habitantes.

A expressão da arte era criada através do sangue de animais, pigmentos vegetais e minerais. Datadas de 13.000 a.C. essas obras são até hoje preservadas por historiadores e institutos arqueológicos. Esses registros são analisados pelos seus aspectos etnológicos, estatísticos e cronológicos. O Brasil detém os maiores sítios arqueológicos do mundo.

Modernismo no Brasil

Sob influência das mudanças ocorridas na sociedade no final do século XIX e começo do XX, surgiu o Modernismo, movimento que traduzia os anseios da humanidade na época.

O marco desse movimento no Brasil foi a Semana de Arte Moderna de 1922, que abriu muitas possibilidades e novos olhares para as artes, em muitos de seus segmentos. De cunho artístico-cultural, ela ocorreu no Teatro Municipal de São Paulo entre os dias 13 e 18 de fevereiro de 1922, com o intuito de renovar e transformar o cenário artístico brasileiro, tanto na arte quanto na literatura. Trazia consigo humor e irreverência, liberdade de criação e expressão, uso do verso livre, linguagem coloquial, combate ao tradicionalismo.

Durante os três dias foram exibidos, discutidos e realizados recitais de música, exposições, leituras e palestras. O evento englobava várias modalidades artísticas: pintura, escultura, música e literatura. A capa do catálogo da exposição foi criada por Di Cavalcanti.

Por ter sido um movimento histórico, cultural e artístico de suma importância, a Semana da Arte Moderna será explanada em uma coluna própria.

Expressionismo

Movimento artístico e cultural que surgiu na Alemanha no início do século XX sendo profundamente voltado para a pintura. Considerado um movimento de vanguarda, as obras expressavam os sentimentos humanos e grande apelo à subjetividade. Cores fortes e vibrantes, olhares que revelavam uma deformação da realidade traziam a mais pura expressão de arte vinda de artistas como Lasar Segall, Anita Malfatti e Tarsila do Amaral.

Barroco Brasileiro

Movimento influenciado pelos missionários católicos, teve início no final do século XVII com grande destaque na arquitetura, escultura, pintura e literatura.

Na literatura, o marco inicial do barroco é a publicação da obra “Prosopopeia” (1601) de Bento Teixeira, presente também nas obras de Gregório de Matos e Padre Antônio Vieira. Na escultura e arquitetura, Aleijadinho foi, sem dúvida, um dos maiores artistas do barroco brasileiro, com obras em Ouro Preto, Sabará e Congonhas.

O estilo pode ser visto e admirado na arquitetura das igrejas e obras sacras, principalmente no Nordeste e Minas Gerais.

Em Minas Gerais, além de Aleijadinho, o grande nome da arte barroca mineira, destacam-se as pinturas do Mestre Ataíde.

Arte Contemporânea Brasileira

A Arte contemporânea brasileira surgiu como forma de crítica social, na década de 60, período em que o Regime Militar ditava as regras, inclusive por meio da censura. Muitos artistas criaram obras intuitivas voltadas para maior interação com as pessoas. O tradicionalismo foi abandonado abrindo espaço para criações que utilizavam técnicas diferenciadas, em especial com recursos da fotografia, arte digital, arte urbana, pop art, entre outros.

O grafite ganhou espaços nos centros urbanos, ocupando muros e fachadas.

A arte contemporânea brasileira se expressa em diversas linguagens como a dança, as artes visuais, a poesia, a literatura, a arquitetura e pela sua forma versátil ela se expõe em diferentes linguagens.

O Brasil é um berço esplêndido de história e arte. Sua pluralidade artística e cultural o eleva ao cume de interesse de estudiosos, arqueólogos e historiadores. Seus sítios arqueológicos despertam a atenção pela riqueza e conservação, mostrando que a humanidade caminha inexoravelmente desde a pré-história, deixando seus rastros e seus conceitos.

A expressão pela arte nos faz compreender o quão complexos somos; a arte nos faz refletir, discutir, elaborar, nos lança a conflitos universais, nos trás prazer estético e ao mesmo tempo espelha nossa fragilidade, nos empurra rumo ao entendimento e ao mesmo tempo ao enfrentamento de nossas barreiras.

A arte é visão, tecnologia, inovação.  Interpreta o artista e o espectador, conecta as pessoas e dentre tantas as suas linguagens ela simplesmente se rende ao puro conceito de ser arte...sem paradigmas e de muitas facetas!