No caminho certo

Walter Nery - Já são mais de US$ 6 bilhões em contratos privados para novas ferrovias.

No caminho certo

Bolsonaro continua espezinhando a oposição.

Comemorando 1000 dias de governo, foi festejar no meio do povo, logo na Bahia e Alagoas.

Em solo baiano, território do petista Rui Costa, o PR foi à cidade de Teixeira de Freitas entregar títulos rurais, a duplicação da 101 e 116, duas das mais importantes BRs do país, além de um grande centro poliesportivo.

Já na cidade de Teotônio Vilela, em Alagoas, governada por Renan Filho, do MDB, o Presidente foi calorosamente recebido pela população local, contrariando mais uma vez os farsantes institutos de pesquisa. Entregou 200 moradias de baixa renda, e foi ovacionado em toda cidade de quase 50.000 habitantes.

Em recente seminário promovido pela Banco BTG PACTUAL, o Ministro da Economia, Paulo Guedes, deixou bem claro que os esquerdistas ficam a todo instante insistindo na desgraça do país.

Lembrou que no primeiro ano do Governo Bolsonaro, o discurso era que seria uma catástrofe total, porque o governo não tinha sustentação política. Aí vieram as reformas, contrariando os patetas da oposição.

Surgiu então a COVID. Foi só o PR falar em tratamento precoce e cloroquina, que não perderam tempo, acusando-o de genocida, negacionista, fascista, blá blá blá blá. Mesmo  feita a vacinação em massa da população brasileira, insistem que há corrupção na aquisição das vacinas, embora não tenham descoberto nada de errado.

Agora, desesperados, partem para os ataques à economia do país. Precisam derrotá-la a qualquer custo, já que 2022 é logo ali.

Buscam então explorar as crises com a COVID, baseando-se nos aumentos de preços no país, para atacar o governo federal. Não enxergam, porém, o que acontece no mundo, ignorando por exemplo a situação nos EUA, onde o preço da carne subiu 65% e as prateleiras dos supermercados começam a ficar vazias; e ainda a altíssima inflação verificada no Reino Unido, onde o gás já subiu 300%.

Aliás, a situação do Reino Unido é tão crítica, que o Chefe de Governo, Boris Johnson, sabedor da pujança do agro brasileiro, pediu ao Presidente Bolsonaro alimentos para a Inglaterra, Irlanda do Norte, Escócia e País de Gales.

Em Nova Iorque no último dia 21, seguindo a tradição, Bolsonaro foi o primeiro chefe de Estado a discursar na 76ª sessão na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), deixando claro que o Brasil vive novos tempos, com bom desempenho na economia e credibilidade externa, sendo um dos melhores destinos para investimentos estrangeiros.

Informou que quase 90% da população adulta já recebeu a primeira dose da vacina contra a Covid-19, e que o Brasil tem o maior programa de parceria de investimentos com a iniciativa privada de sua história, que até agora contratou US$ 100 bilhões de novos investimentos, e arrecadou US$ 23 bilhões em outorgas.

Lembrou que já foram leiloados 34 aeroportos e 29 terminais portuários, e que seu governo tem promovido o ressurgimento do modal ferroviário, com menor consumo de combustíveis fósseis e redução do custo Brasil, em especial no barateamento da produção de alimentos.

Já são mais de US$ 6 bilhões em contratos privados para novas ferrovias, com a introdução do sistema de autorizações ferroviárias, que aproxima o Brasil ao modelo americano.

Na área de saneamento, Bolsonaro destacou que tem ocorrido grande avanço com leilões de concessões, e informou que nos próximos dias será realizado o leilão para implementação da tecnologia 5G no Brasil.

Sobre a Amazônia, que equivale à área de toda a Europa Ocidental, o Presidente detalhou que 84% da floresta está intacta, abrigando a maior biodiversidade do planeta.

E destacou a legislação ambiental brasileira: “Nossa moderna e sustentável agricultura de baixo carbono alimenta mais de 1 bilhão de pessoas no mundo e utiliza apenas 8% do território nacional. Nenhum país do mundo possui uma legislação ambiental tão completa. Nosso Código Florestal deve servir de exemplo para outros países”, afirmou.

O PR também apresentou dados sobre o apoio dado pelo Governo Federal à população, que sofre os efeitos econômicos provocados pela Covid-19. 

Ele detalhou que o auxílio emergencial foi pago a 68 milhões de pessoas em 2020, e que o ano foi encerrado com mais empregos formais do que em dezembro de 2019.

Também apresentou dados de 2021 que mostram que somente nos primeiros 7 meses, foram criados aproximadamente 1,8 milhão de novos empregos. E lembrou que, para 2021, o crescimento do Brasil está estimado em 5%.

Apesar de todas as dificuldades atuais, em especial a ameaça às nossas liberdades individuais e de expressão, o  país continua crescendo. Que continue assim!

As opiniões contidas nesta coluna não refletem necessariamente a opinião do portal Balcão News.