Percepção de valor: Lançamento nacional da Honda CRF 250F 2022

Na linha 2022, a Honda CRF 250F adota layout, grafismos e a cor vermelha das CRF 450 e 250R e RX importadas

Percepção de valor: Lançamento nacional da Honda CRF 250F 2022
Divulgação

A Honda CRF 250F é produzida na Zona Franca de Manaus e foi lançada no final de 2018 para atender aos anseios de quem deseja se iniciar no fora-de-estrada. Provas de modalidades como Enduro, Rali ou Cross Country, as mais duras do off-road nacional, servem de laboratório de testes para os pilotos das equipes Honda Racing demonstrarem, na prática, que tanto a CRF 250F quanto sua antecessora, a CRF 230F, são motocicletas prontas para qualquer desafio. Para ampliar a percepção de qualidade do modelo, os designers tiveram a ideia de adotar na versão 2022 da CRF 250F a cor única vermelha e os grafismos adotados nas CRF 450 importadas, que são as máquinas profissionais para as disputas de competições do motociclismo off-road nacional e mundial – a CRF 450 Rally, bicampeã do Dakar (2020 e 2021), e a CRF 450RW, campeã do mundial de motocross na MXGP (2019 e 2020). A Honda CRF 250F 2022 já estará disponível nas concessionárias de todo o território nacional e o preço público sugerido é de R$ 17.550, base Distrito Federal, e não inclui despesas com frete ou seguro.

Com o visual “emprestado” pelas “imãs maiores”, a CRF 250F mantém o motor monocilindro 4T SOHC de quatro válvulas, arrefecido a ar, alimentado pelo sistema PGM-FI, com potência de 22,2 cavalos a 7.500 giros e torque de 2,28 kgfm a 6 mil rpm. É dotado de partida elétrica adequada ao uso frequente, típico na prática do off-road. A transmissão é de cinco velocidades. Com peso a seco limitado a 114 quilos, distância do banco em relação ao solo de 88,3 centímetros e ergonomia voltada para simplificar a pilotagem, a CRF 250F continua a ter carenagens e partes plásticas em geral, projetadas para resistir aos frequentes contatos com o solo, típicos no off-road.

Na parte ciclística, o destaque é o chassi tipo berço duplo fechado, feito com tubos de aço na arquitetura Twin Tube, com tubos que descem da coluna de direção rumo à fixação da balança traseira, em uma arquitetura desenvolvida para favorecer a maneabilidade. A suspensão dianteira tem 41milímetros de diâmetro e 240 milímetros de curso. Na traseira, o conjunto mola-amortecedor com regulagem na carga está ligado à balança de suspensão pelo sistema Pro-Link de amortecimento progressivo. Na frenagem, o disco dianteiro tipo wave de 240 milímetros de diâmetro tem cáliper de pistão duplo. Atrás o disco, também tipo wave, tem 220 milímetros de diâmetro e cáliper de pistão simples. Completam a ciclística as rodas raiadas com aros de 21 polegadas à frente e de 18 polegadas atrás.

LEIA TAMBÉM:

Braciola suína glaçada em geléia de damasco com musseline de pequi

Lagunitas – A IPA que conquistou o Brasil

Você é americano, atleticano ou cruzeirense?

A boçalidade da velha política de Kalil

Passo a passo de como manter uma boa postura para dirigir

Coluna Alma Alvinegra: Um Galo encardido no caminho dos adversários

O papel das forças armadas numa democracia representativa

A leitura e seus benefícios para o desenvolvimento infantil

Efeitos da Covid-19 na relação entre clube, torcida e dinheiro

Coluna Squadra Celeste: O prelúdio da esperança

Comprei um produto pela internet e desisti. Quem paga o frete de retorno?