Qual é o seu próposito?

Proseando com Ricardo Souza

Qual é o seu próposito?

Eu tenho certeza de que não viemos em vão para esse mundo. Já na concepção, fomos aquele óvulo dos milhares que nossas mães possuíam que se encontrou com um dentre milhões de espermatozóides que estavam ali naquele momento e que eram uma ínfima parcela dos bilhões de espermatozóides que seu pai produziu em sua vida. Exatamente você estar aqui foi como acertar a Mega-Sena da virada. E, ainda assim, se a realidade for outra, prefiro continuar acreditando que somos todos parte de uma engrenagem universal. E para que ela possa funcionar em nosso benefício, temos que pensar em duas coisas muito importantes: nossa finitude e nosso propósito.

Somos frágeis, finitos, breves e perfeitamente substituíveis. Meu primo Dil Márcio, cartunista incrível, aquele do plim-plim da Globo, fala muito em suas palestras sobre a necessidade de desap-ego. Assim mesmo, com hífen. Priorizamos o ter, e não o ser. Não é difícil entender que o desapego das coisas materiais é tão importante quanto o desapego do ego. Os dois estão intimamente associados. Quando ganhamos dinheiro, quase sempre buscamos comprar algo que não precisamos para impressionar pessoas que não conhecemos. E isso alimenta nosso ego. Podemos até consumir produtos de qualidade que nos proporcionem conforto duradouro, ou tenham atributos como beleza, tradição, robustez, etc, de muitas marcas que conferem status. Porém, não devemos alimentar nosso ego em demasia pois certamente ele irá "embaçar" nosso propósito. Esteja certo de uma coisa: você irá morrer. E com certeza será antes do que você espera. E não pense que isso irá acontecer somente depois que você conseguir alcançar seu objetivo planejado. Tenho um exemplo próximo: meu querido irmão Dalton, um dos melhores profissionais da área educacional do Rio de Janeiro, responsável pelos mais importantes processos de criação, autorização e reconhecimento de novos cursos superiores em diversas universidades. Ele tinha o sonho de montar sua própria escola técnica. Com enorme sacrifício, investindo suas economias e de sua companheira também profissional da área do ensino com quem esteve ao seu lado na execução do projeto, conseguiu o imóvel, as instalações, as autorizações, os credenciamentos, os professores e faleceu repentinamente no sábado anterior à inauguração de sua tão sonhada escola técnica. Esse acontecimento caiu como uma bigorna em minha cabeça. Além dele ter sido muito mais do que um irmão, o fato mostrou como somos efêmeros e como caminhamos, sem nos darmos conta, lado a lado com nossa finitude. Viver é caminhar em gelo fino sobre um lago no inverno. Por outro lado, meu irmão tinha um propósito que motivou toda sua vida, que era sua dedicação no desenvolvimento de técnicas educacionais, legais e administrativas do ensino superior. Seu propósito era contribuir com a educação e isso era sua paixão. Essa paixão foi o motor que o transformou em um profissional admirado. O seu objetivo foi alcançado pois conseguiu montar sua escola técnica, que hoje segue seu caminho capitaneada por sua companheira. Não conseguiu ver seu pleno funcionamento. Porém, era um homem com um propósito definido.

Sei que não é fácil encontrarmos nosso propósito. Como somos seres mutáveis, volúveis, inconstantes, hoje queremos muito algo que achamos ser aquilo que dá sentido a nossas vidas e amanhã descobrimos outras motivações que apagam a anterior. Porém, encontrar nosso propósito permite que tenhamos variações em nossas motivações, mas que não mudem aquilo que nos move, que dá sentido à nossa vida. Para que você entenda de vez o que é propósito, é muito simples: propósito é aquilo que move você. Não é exatamente sua missão, mas sim o que motiva você a viver. Missão é o que você busca como legado para seus descendentes, para sua comunidade ou para a humanidade. Propósito é a sua razão de existir. Sem ele, somos como zumbis, sem alma, sem essência.