Quatro passos para se organizar financeiramente

Júlia Biccas estreia coluna no Balcão News sobre finanças.

Quatro passos para se organizar financeiramente
redutea
banner redutea
banner redutea


Por Júlia Biccas

Ironicamente, minha primeira publicação sobre o mundo dos investimentos veio em um tempo em que a organização financeira se mostrou crucial.

Em busca de temas, me deparei com a extrema necessidade de aumentar o nível de consciência das pessoas a respeito de pautas teoricamente básicas, as quais, na prática, podem se revelar menos simplórias do que parecem.

Afinal, quantas pessoas não viram na pandemia a necessidade de ter um ‘dinheirinho guardado’?

O desemprego e a redução de renda ou de salário bateram à porta. E agora? Lição aprendida. É colocar a mão na massa para se organizar e não passar aperto nunca mais.

Por isso, vou sugerir algumas boas práticas para essa adaptação. Coloquemos um passo a passo inicial:

1) Anotar ganhos e gastos: É importante tomar nota de todo e qualquer gasto para saber o destino do seu dinheiro. Ou seja, ter plena consciência de tudo que entra e tudo que sai.

2) Sua estrutura de gastos mensais deve se aproximar ao máximo da proporção abaixo:

50% - Gastos essenciais: aluguel, energia, água, etc. São as contas de “sobrevivência”

30% - Lazer: esse fica a seu critério! Passeios, restaurantes, viagens e o que mais lhe apetecer e, claro, couber no orçamento.

10% - Investimentos: Renda fixa, ações, fundos imobiliários, criptomoedas... Aprofundaremos nesse tópico nas próximas semanas.

10% - Estudos: Cursos que ajudem na sua performance no trabalho, livros, ou qualquer forma de adquirir conhecimento. Afinal, conhecimento também é investimento.

Sendo assim, a divisão fica da seguinte forma:

3) Montar uma reserva de emergência. Uma vez que já temos calculado o custo mensal pessoal, multiplique esse valor por 12. Esse será o montante que você precisa ter para casos de emergências e necessidades, como uma pandemia, por exemplo.

Sem dúvida a falta de reserva de emergência foi foco de preocupação para aqueles que não se precaveram para momentos de escassez.

Além disso, esta reserva tem como objetivo: (i) permitir que o restante da carteira possa contar com alternativas de perfil mais arriscado de investimento, ou ainda, (ii) possibilitar a realização de aplicações nas quais dinheiro fique preso por um prazo maior, proporcionando assim, retornos mais atrativos.

4) Agora chegou a hora de realmente investir. São duas as opções:

- Dedicar tempo e estudar até entender de fato o que está sendo feito e montar uma estratégia adequada aos seus objetivos e perfil.

- Terceirizar a sua estratégia a alguém que tenha tempo dedicado a isso e seja de sua confiança.

Esses 4 passos sintetizam bem as atitudes necessárias para se evitar o cenário de dificuldades enfrentado por algumas pessoas nos últimos 12 meses.

E assim, caso sua opção seja por entender sobre reserva de emergência, perfis de investimentos, cuidados e alternativas na hora de investir, nos encontraremos de agora em diante nesta coluna! Até breve.

Júlia Biccas Massoli é engenheira de produção civil, formada pela Universidade Fumec. Possui especialização em gestão financeira e MBA em Investimentos e Private Banking pelo Ibmec. Hoje sócia do escritório Valor Investimentos, com sede em Vitória, Belo Horizonte, São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro, e 17 anos de história. Atua como assessora de Investimentos, auxiliando os investidores a organizarem estratégias adequadas aos seus objetivos e perfil.