Terminou uma relação e não sabe o que fazer? Veja como o exercício pode te ajudar.

Coluna Dr. Alberto Rafael Jr.

Terminou uma relação e não sabe o que fazer? Veja como o exercício pode te ajudar.

Enfrentar um rompimento de relacionamento não é uma tarefa fácil.  No entanto, nossas atitudes e comportamentos podem tornar essa experiência mais suportável.

Quando um relacionamento termina, uma etapa em nossas vidas também se encerra.  Aceitar essa nova realidade o mais rápido possível nos tornará mais fortes para enfrentar o luto com maior dignidade.  Dessa forma, poderemos refazer nosso presente para enfrentar um novo futuro com maior resiliência.  No entanto, conseguir isso não é fácil, por isso, é fundamental mudar alguns hábitos e comportamentos.

Quando termina uma relação entre duas pessoas, passamos por várias fases, como se fosse um duelo.  Na verdade, é como sentir que alguém não está mais conosco, então devemos encarar que passaremos por diferentes fases durante a temporada que dura a aceitação de que o relacionamento acabou.

Primeiro, passaremos pela fase de negação, acreditando que é um pesadelo e que realmente não aconteceu. Pouco a pouco, experimentaremos sentimentos de tristeza, euforia, isolamento..., todos são fases normais quando sofremos uma perda.  Por isso, temos que ter muito claro quem somos, o que queremos e aceitar as fases que vamos vivenciar, sabendo que tudo vai passar, que nada dura para sempre e que seremos os mesmos de antes.

Mas o que podemos fazer para passar por todo esse mar de sentimentos e fazer com que essa experiência seja mais suportável?

A atividade física é uma ajuda complementar muito eficaz nesse momento.  Podemos dizer amplamente que a atividade física melhora a autonomia da pessoa, a memória, a agilidade mental e promove sentimentos como otimismo ou euforia, ao mesmo tempo em que melhora a autoestima.  Todos esses benefícios para nossa saúde mental fazem do esporte uma atividade necessária e benéfica em qualquer idade.

As endorfinas que nosso cérebro secreta durante e após o exercício físico nos induzem a um estado de maior felicidade e bem-estar emocional.  É altamente recomendado em casos de depressão ou ansiedade, pois ajuda a reduzir os sintomas de tristeza, gera uma sensação de relaxamento e impacta positivamente na qualidade de vida da pessoa.

Realizar qualquer atividade física é uma maneira saudável e eficaz de relaxar.  Além disso, ao praticar esportes também aumentamos a produção de norepinefrina, cujas funções incluem a moderação da resposta do nosso cérebro a situações estressantes.  Nesse sentido, a resposta ao estresse seria equilibrada pelas sensações de tranquilidade e bem-estar.

Talvez você precise de algum amigo para te ajudar nessa jornada! Realizar qualquer exercício físico em companhia é uma forma de incentivar e motivar uns aos outros.  É mais um momento que pode partilhar com os amigos que o motivará a continuar com esta boa prática para a sua saúde.

Caso a academia seja sua escolha para se exercitar, são inúmeras as atividades sociais que se realizam nestes centros.  Da mesma forma, as atividades orientadas oferecidas na maioria delas também dão a oportunidade de conhecer novas pessoas com interesses semelhantes em termos de saúde.

Uma melhora no estado emocional e na autoestima leva a uma melhor gestão das relações sociais.  Quando nos sentimos bem, projetamos um sentimento de admiração para aqueles que nos rodeiam e somos mais capazes de nos engajar e engajar socialmente.

Uma das razões pelas quais muitas pessoas iniciam uma rotina de exercícios é a mudança física que vem da consistência.  Um corpo mais definido traduz-se numa melhor auto-imagem e, consequentemente, num aumento da auto-estima.  A percepção de si mesmo muda gradualmente e, juntamente com um melhor estado de espírito, os níveis de auto-estima aumentam inevitavelmente com o aumento da autoconfiança.

Não utilize bengalas como tabaco ou álcool! Para pessoas viciadas em tabaco ou álcool, o exercício físico é um aliado excepcional para aprender a controlar seus vícios.  Por quê?  Bem, porque nosso cérebro libera os mesmos neurotransmissores de quando tomamos essas substâncias.  Nosso cérebro libera dopamina (o neurotransmissor de recompensa).  Praticar exercícios também pode ajudar a reiniciar o relógio biológico cuja função é afetada por substâncias viciantes que são prejudiciais à nossa saúde física e mental.

O exercício também atua como um tratamento natural e eficaz contra a ansiedade.  Alivia a tensão e o stress, aumenta a energia física e mental e melhora o bem-estar, também através da libertação de endorfinas.  Qualquer atividade que o encoraje a se mexer pode ajudar;  mas você obterá um benefício maior se puder prestar atenção à atividade que está ocorrendo, bem como às sensações que o exercício produz.  Por exemplo, tente sentir seus pés batendo no chão, o ritmo de sua respiração ou a sensação do vento em seu rosto.  Ao adicionar esse elemento de atenção plena, concentrando-se realmente em seu corpo e em como você se sente enquanto se exercita, você melhorará sua forma física mais rapidamente e poderá interromper o fluxo de preocupação e ansiedade que caracteriza o transtorno de ansiedade.

Vários estudos mostram que o exercício pode tratar a depressão leve a moderada de forma tão eficaz quanto os medicamentos antidepressivos, evitando os efeitos colaterais associados a eles. O exercício promove a criação de novos neurônios, um processo que conhecemos como neurogênese, que permite substituir aqueles que não são mais funcionais. 

Por fim, o exercício produz sensações de calma e bem-estar, associadas à liberação de hormônios e neurotransmissores.  Entre as mais conhecidas estão as endorfinas, pequenas proteínas que possuem uma estrutura química muito semelhante à da morfina, e que são produzidas pelo nosso organismo;  é por isso que os chamamos de 'morfina endógena'.  Ter altas endorfinas é muito positivo para a 'felicidade' das pessoas, pois sendo semelhantes aos opiáceos têm efeito analgésico e sensação de bem-estar, mas sem contraindicações.

Neste momento surge a pergunta: quanto exercício devemos fazer para dar um impulso à nossa saúde mental?  Não é necessário se trancar por horas em uma academia ou passar a tarde toda em uma esteira.  Todos os benefícios para a saúde física e mental já podem ser alcançados com 30 minutos de exercícios moderados cinco vezes por semana.  Além disso, isso pode ser dividido em duas sessões de exercícios de 15 minutos ou três de 10 minutos.

Se isso ainda soa intimidante, não se desespere.  Mesmo alguns minutos de atividade física são melhores do que nenhum.  Você pode começar com sessões de 5 a 10 minutos e aumentar lentamente seu tempo.  Quanto mais você se exercita, mais energia você terá, então, eventualmente, você se sentirá pronto para um pouco mais.  A chave é se comprometer com alguma atividade física moderada na maioria dos dias.

E lembre-se: “Ninguém perde por dar amor, perde quem não sabe receber”.