'Terrible two' ou 'Wonderful two'?

'Terrible two' ou 'Wonderful two'?

Sabe quando parece que seu filho foi trocado por outra criança? Ele era tão tranquilo e, de repente, começa a ficar impaciente, gritar e brigar por tudo? Bem-vindo ao “Terrible two”, “Adolescência dos bebês” ou “Wonderful two”. Confesso que não gosto de nenhum desses nomes, pois essa mudança de comportamento faz parte do desenvolvimento infantil, e o ato de rotular o período pode nos tirar a capacidade de empatia com os pequenos. Essa é uma fase absolutamente normal, e acontece quando os pequenos estão se transformando de bebês em crianças e começam a se enxergar como um individuo, com vontade própria e independente dos pais, assim passam a testar os limites buscando impor os seus desejos. A irritação acontece pela imaturidade e incapacidade de lidarem com seus sentimentos, e as “birras” são uma forma de expressão dessa frustração. Eles ainda não têm maturidade emocional e capacidade de expressarem verbalmente seus sentimentos e de entenderem suas limitações, então acabam se comunicando em forma de choro, a maneira de se expressarem que dominam desde o nascimento. É importante que os pais tenham empatia com as crianças, mas que também não se sintam culpados pelo que está acontecendo, não necessariamente você está criando um indivíduo mimado! Todas as crianças irão passar por essa fase, mais cedo ou mais tarde, e esta variação vai depender do grau de desenvolvimento de cada um. Outro fator importante que deve ser observado é que nem sempre um ato ou comportamento “ruim” dever ser visto como culpa do “Terrible two”, rotular o período nos tira a capacidade de observar as individualidades de cada criança.

Se tentarmos enxergar por um outro prisma, veremos que essa é uma fase muito rica, em que as crianças passam por importantes mudanças na descoberta da sua individualidade e com ganho de muitas novas habilidades. Então, mirando na grandeza dessa fase, precisamos exercer a PACIÊNCIA! Nós, pais, somos o elo maduro da relação, então temos que lhes acolher, transmitir tranquilidade, nomear seus sentimentos e ter calma nos momentos desafiadores. Pensem positivo, essa é só uma fase que também irá passar. Os nossos pequenos estão crescendo e evoluindo e cabe a nós guiá-los, com empatia e muito carinho, para que possam passar por isso e continuarem sua evolução.

As opiniões contidas nesta coluna não refletem necessariamente a opinião do portal Balcão News.