Você já ouviu falar da fibromialgia? Você tem uma pessoa próxima que sente muitas dores no corpo e não entende por quê?

Saiba mais sobre a doença e conheça os sintomas mais comuns

Você já ouviu falar da fibromialgia?  Você tem uma pessoa próxima que sente muitas dores no corpo e não entende por quê?

A fibromialgia é considerada uma patologia reumática e crônica, de origem desconhecida, caracterizada por dores musculoesqueléticas generalizadas e constantes, com presença de pontos dolorosos e sensíveis por todo o corpo, rigidez variável (mais pronunciada pela manhã) e com outros sintomas associados, como: cansaço, fadiga, insônia, distensão abdominal, intestino irritável, dores de cabeça, dormências, depressão ansiosa, disfunções sexuais…

A causa da Fibromialgia é desconhecida, mas uma das teorias mais aceitas até agora é que ela é produzida por um processo de sensibilização do sistema nocioceptivo (estímulos agressivos), produzindo uma alteração no processamento da dor, e diminuindo a resposta na inibição da dor. 

Atualmente, o diagnóstico da Fibromialgia é puramente clínico, não existem testes objetivos e específicos que possam auxiliar no seu diagnóstico. Por isso, é imprescindível realizar uma boa avaliação do paciente, levando em consideração suas manifestações clínicas, sua história pessoal, bem como seu estado emocional, social e afetivo, e afastar outras patologias e comorbidades que possam levar ao um diagnóstico errôneo.

 Entre os sintomas mais comuns da fibromialgia estão:

 - Dor: ocorrem dores generalizadas e intensas, principalmente na região cervical e lombar e sensibilidade dolorosa à palpação em pontos localizados, chamados de áreas sensíveis.  É causada por um baixo limiar de dor, embora a dor seja flutuante.

 - Astenia: cansaço geral, mesmo para atividades simples, porém mais prevalente pela manhã.

 - Sintomas vegetativos: hipotensão, taquicardia, tontura, sudorese e palpitações.

 - Rigidez articular: também mais pronunciada pela manhã, embora possa permanecer por várias horas e até o dia todo.

 - Distúrbios do sono: os pacientes não têm uma boa noite de sono.

 - Distúrbios osteomusculares: dores de cabeça, disfunções da ATM, dor miofascial, ...

 - Doenças gastrointestinais: intestino irritável, azia, disfagia, dor abdominal ...

 - Transtornos psicológicos e cognitivos: depressão, ansiedade, lapsos de memória, dificuldade de concentração, hipocondria, ...

 - Doenças genito-urinárias: bexiga irritável, dismenorreia, disfunções sexuais, ...

 - Distúrbios neurológicos: tonturas e vertigens desconhecidas, zumbido, irritabilidade a estímulos visuais e olfativos, dormência, sensação de inchaço nas mãos e pés, síndrome das pernas inquietas…

Seu tratamento deve ser multidisciplinar, desde as áreas médica, psicológica, fisioterapêutica e terapia ocupacional. 

A fisioterapia é uma das ferramentas mais úteis para o alívio sintomático dos pacientes, com uma grande variedade de tratamentos a serem aplicados, dependendo dos sintomas do paciente, do seu grau de dor e de suas preferências.

Tem sido demonstrado que a massoterapia produz grandes benefícios em pacientes acometidos por esta doença, tais como: melhora na qualidade do sono (aumento do número de horas dormidas, sono mais repousante, diminuição da sonolência diurna), diminuição da intensidade da dor e também de pontos doloridos como uma diminuição da ansiedade e da depressão.  Tudo isso leva a uma melhora na qualidade de vida.

A eletroterapia é um dos métodos mais utilizados nos pacientes acometidos pela doença. Os objetivos que são amplamente perseguidos são aumentar o benefício de outras técnicas aplicadas, reduzir a dor e espasmos musculares, melhorar a qualidade do sono e, portanto, melhorar a qualidade de vida dos pacientes.

O exercício físico aeróbio, o treino de força muscular e o alongamento têm demonstrado melhorar consideravelmente a qualidade de vida dos doentes com fibromialgia, provocando uma melhoria da mobilidade articular, diminuição dos espasmos musculares e da astenia muscular, reduzindo o grau de dor e aumentando consideravelmente seu estado psicológico.