Mitos e Verdades do Universo Cervejeiro – Vol. I

Coluna Mais um Lúpulo - Flávio Vouguinha

Mitos e Verdades do Universo Cervejeiro – Vol. I
Acervo Pessoal

Chegou o momento mais aguardado da semana... Hora de sextar Lupuladas e Lupulados!

Desde que passei de bebedor de cerveja (isso já sou a muito tempo, rsrs!) para um adorador e estudioso, me tornei referência para muitos amigos e também seguidores do meu perfil @maisumlupulo no Instagram na hora de tirar dúvidas e esclarecer polêmicas sobre cervejas. Com base nisso, resolvi de tempos em tempos usar esse espaço para abordar “Mitos e Verdade do Universo Cervejeiro”. Espero que essas dicas e esclarecimentos sejam apreciados por vocês sem moderação!

1 – Toda cerveja precisa ser servida estupidamente gelada
Resposta: MITO! Essa ideia é muito defendida e difundida, principalmente no Brasil! Beber bem uma cerveja se tornou sinônimo de apreciar a bebida extremamente gelada e realmente o clima quente do nosso país favorece isso. Mas isso não é e não pode ser tratado como regra! Para degustar os sabores e aromas mais complexos da cerveja em sua plenitude, a temperatura será um fator decisivo e com isso a regra do "quanto mais gelado, melhor" pode se tornar uma grande cilada. 
Falar qual a temperatura ideal para beber cerveja, de maneira geral, é uma tarefa impossível, já que isso vai variar de acordo com o clima do local, o tipo de cerveja, as preferências pessoais e até a ocasião. Sextar numa tarde de verão brasileiro, com mais de 30°, bebendo uma American Lager (também conhecida como Pilsen no Brasil - Artigo relembre clicando aqui) com os amigos é completamente diferente de fazer uma noite de degustação de cervejas artesanais encorpadas e com maior teor alcoólico.

Quando estamos falando de cervejas mais fortes e alcoólicas, como uma Imperial Stout, um exercício interessante inclusive é ir observado sua variação de características ao longo do tempo que ela está no copo ganhando calor. E para ajudar, seguem algumas dicas de estilo x temperatura:

- Cervejas boas para beber muito geladas (2° a 4°C): Cervejas para refrescar o dia. Devem possuir teor alcoólico de no máximo 5,5% e sabor mais leve, como American Lager, Helles e Witbiers 
- Cervejas para beber apenas geladas (4° a 6°C):  Essa é uma boa temperatura para cervejas de trigo alemãs, como Weizenbier ou as Tripels belgas e as Lambics que são mais complexas, mas também refrescantes. 
- Cervejas que devem ser bebidas frias (7° a 10°C): São nessas temperaturas que sabores mais complexos podem ser sentidos da maneira ideal. São a medida certa para estilos como IPA’s, Weizenbocks, Porters e Dubbels
- Boas para degustar à temperatura de adega (10° a 13°C): Cervejas como Belgian Dark Strong Ales, Imperial Stouts, Barley Wines e Bocks mais fortes, como Doppelbock, e qualquer outra que seja mais alcóolica, são melhores apreciadas nessa temperatura.

2 – O colarinho da cerveja deve existir e é importante
Resposta: VERDADE! É isso mesmo... Para algumas pessoas aquele creme ou espuma podem não fazer parte da cerveja e acham uma mera formalidade. Chegam até em alguns casos, a acusar o bar de servir menos cerveja do que ele está pagando. Pois saiba que se você está nesse grupo, você está errado! O colarinho que se forma sobre nosso líquido sagrado tem funções superimportantes para a bebida.

Ele é formado por bolhas de gás carbônico (CO) e proteínas da cerveja e pode variar de acordo com estilo, apresentando formação de bolhas maiores ou menores, maior ou menor cremosidade, corpo mais abundante ou não e até mesmo tempos de retenção diferentes. Uma cerveja estilo Weiss, por exemplo, possui bastante proteína de trigo e isso oferece uma espuma mais presente e cremosa. Já se falamos de uma English Pale Ale, ela possui pouca formação de espuma, resultado da baixa carbonatação que possui. Outro item importante e que impacta na formação do colarinho é escolha do copo correto. O formato da tulipa por exemplo, facilita a formação da espuma, enquanto um pint não tem esse objetivo.

Portanto, devemos sim tratar o colarinho como elemento fundamental da cerveja, uma vez que ele indica a saúde da cerveja e servindo como uma verdadeira proteção, que impede o contato do líquido com o oxigênio, ajuda a manter a temperatura e conserva o aroma e sabor. Agora que você já sabe como é a melhor maneira de beber a cerveja, que tal sextar?! Cheers!