Como se proteger em momentos de crise e incerteza

Como se proteger em momentos de crise e incerteza
Freepik
redutea
banner redutea
banner redutea


Ao decorrer desse ano pudemos observar alguns percalços na renda variável, decorrente de uma incerteza política econômica e fiscal, e também da crise de saúde que temos enfrentado. Em paralelo, vimos a renda fixa se tornando um pouco mais atrativa, o receio pela inflação aumentando, a nossa moeda sofrendo desvalorização, entre outros acontecimentos que balançaram algumas carteiras e alguns corações por aí. Mas como se proteger neste cenário?

Comecemos entendendo um conceito importante: Não existe investimento livre de risco, que renda muito bem e que tenha liquidez. Sempre precisaremos abrir mão de algum desses parâmetros da chamada “tríade dos investimentos”.

No mercado financeiro há inúmeras maneiras complexas de se proteger de quedas nos preços e nas rentabilidades. Opções, termo, venda de contratos futuros, entre várias outras.

No entanto, focaremos em duas estratégias mais simples que podem ser utilizadas de forma prática: diversificação e caixa.

DIVERSIFICAÇÃO

Primeiramente, analisemos a tabela acima. Por mais que você não saiba o significado de cada investimento, fica bem claro que nenhum se mantem como O MELHOR durante todo o tempo, certo? E é exatamente desta forma que iremos nos proteger: Alocando os recursos em diversos ativos, e não em apenas um por parecer mais atraente e promissor.

É de extrema importância que o portfólio de investimentos tenha vários ativos descorrelacionados entre si, a fim de, em cenários prejudiciais, nem toda a carteira tenha rendimentos negativos. Um pouco de bolsa, um pouco de inflação, uma pitada de investimentos internacionais, adicionando alguns bitcoins... E por aí vai...

Em sua palestra para a EXPERT – evento anual da XP investimentos – Ray Dalio, conhecido por ser criador de um dos maiores fundos de investimentos do mundo, apresentou o gráfico abaixo, fazendo referência ao poder da diversificação de um portfólio.


O gráfico reforça então a importância de uma carteira diversificada, pois quanto menor a relação entre os ativos da carteira, menor a probabilidade de perda de dinheiro. Ao levar este fator em consideração, aumentamos a atratividade da relação entre risco e retorno.

CAIXA

Pensando por outro aspecto, consideremos que, em tempos de crise, podem aparecer algumas oportunidades. Para isso, devemos ter um caixa destinado a este fim, isto é, um recurso de fácil retirada, para alguns investimentos pontuais.

Quando investimos em ações, nos tornamos sócios de uma determinada empresa. Sendo assim, é importante levar em consideração os fundamentos daquela companhia.

- Ela está sendo prejudicada pela crise?

- Se sim, por quê?

- Se não, por que os preços estão caindo?

- Se os preços estão caindo, mas os fundamentos da empresa se mantém, e ela continua sendo uma excelente opção de investimento, por que não aumentar a minha participação na sociedade à um preço menor ainda?

Compras de boas empresas em momentos de queda potencializam os ganhos ao longo do tempo.

Estas duas estratégias, embora aparentemente simples, podem ser ótimas aliadas à sua composição de carteira, principalmente em momentos como o atual. Por muitas vezes é melhor fazer o simples muito bem feito, em detrimento de fazer algo complexo e errado.

LEIA TAMBÉM:

Febre nem sempre é infecção

Gol da Alemanha? Conheça um pouco mais da tradicional escola cervejeira!

Comprimento MINI - Uma tendência que vem com tudo no inverno 2021

Reabilitação Fisioterapêutica pós Covid-19

Quatro passos para se organizar financeiramente