3 notícias boas sobre as vacinas da Pfizer e de Oxford contra Covid

A semana termina com três notícias boas sobre vacinas contra a Covid-19, todas divulgadas nesta sexta, 19, por cientistas independentes. A primeira vem de um estudo sobre a vacina da Pfizer/BioNTech, revisado por cientistas independentes. A pesquisa mostrou que uma única dose dela é 85

3 notícias boas sobre as vacinas da Pfizer e de Oxford contra Covid
redutea
banner redutea
banner redutea


A semana termina com três notícias boas sobre vacinas contra a Covid-19, todas divulgadas nesta sexta, 19, por cientistas independentes. A primeira vem de um estudo sobre a vacina da Pfizer/BioNTech, revisado por cientistas independentes. A pesquisa mostrou que uma única dose dela é 85% eficaz contra casos sintomáticos de Covid – de duas a quatro semanas após a injeção. O estudo publicado pela revista científica The Lancet foi realizado com profissionais de saúde do maior hospital de Israel. Por isso, pesquisadores apoiam o adiamento da segunda dose onde houver escassez de vacinas, porque a primeira dose da Pfizer/BioNTech já garantiria boa proteção. O Reino Unido seguiu esse caminho. O país tinha atrasado para 12 semanas a aplicação da segunda dose. A Pfizer e BioNTech tinha recomendado um intervalo de três. A Universidade de Oxford concorda com a estratégia britânica.

Durabilidade

A segunda notícia boa, também sobre a vacina da Pfizer/BioNTech, é que ela não precisa mais ser congelada a – 70°C, como anunciado anteriormente pela indústria. Estocada em congeladores comuns, a – 15º, ela tem durabilidade de duas semanas. Isso facilita a distribuição em locais que não têm freezers tão potentes. O estudo já está pronto para assinatura da agência reguladora americana e segue nas próximas semanas para aprovação de outros países.

Oxford

A terceira notícia boa é sobre a vacina de Oxford. Outro estudo divulgado nesta sexta na Lancet afirma que o intervalo maior entre as doses da vacina Oxford/AstraZeneca gera ainda mais proteção. A vacina teria 81% de eficácia com intervalo de 12 semanas entre as aplicações. Já em seis semanas, a metade desse tempo de intervalo, a eficácia cairia para 55%. No Brasil, o Ministério da Saúde e a Fiocruz já recomendam que o intervalo entre as doses dessa vacina seja de 12 semanas. O chefe do estudo com mais de 17 mil participantes acha melhor vacinar o dobro de pessoas com uma dose do que vacinar a metade com duas. Mas Andrew Pollard deixou claro que a segunda dose é a que deve garantir a imunidade de longa duração.

Com informações do JN
O post 3 notícias boas sobre as vacinas da Pfizer e de Oxford contra Covid apareceu primeiro em Só Notícia Boa.

LEIA TAMBÉM:

BBB: Rejeição recorde de Karol Conká é esperada. Arrogância, prepotência, dissimulação: O que mais?

Copo Lagoinha: vários nomes e uma certeza, está em nossos corações!

Mantendo nos looks do dia a dia a alegria do Carnaval

Coworking para venda de carros: uma solução mais segura e econômica para quem deseja fazer vendas particulares sem intermediários