Dicas para beber uma boa cerveja no carnaval! Uma Escola Cervejeira com “E” Maiúsculo

O "Mais um Lúpulo" traz a história da Escola Belga e boas dicas para brindar com artesanais neste carnaval sem folia.

Dicas para beber uma boa cerveja no carnaval! Uma Escola Cervejeira com “E” Maiúsculo
Dicas para beber uma boa cerveja no carnaval! Uma Escola Cervejeira com “E” Maiúsculo
Dicas para beber uma boa cerveja no carnaval! Uma Escola Cervejeira com “E” Maiúsculo
redutea
banner redutea
banner redutea

Hoje é ‘sextou’ de carnaval, mas não vai ter bloquinho, né Lupulados? Vamos pensar no lado bom... Sem bloquinhos, sem a necessidades de tomar latão do isopor do ambulante, certo?! E que tal se aventurar numa cerveja diferente e com mais sabor? A dica do beer sommerlier pra hoje é cair na home-folia com as maravilhas da Escola Belga.

Posso dizer que a descoberta da Escola Belga foi exatamente o que me levou ao universo cervejeiro. Meu primeiro avanço, isso ainda lá nos anos 2000, foi ao estilo Pale Ale e seus desdobramentos e daí pra frente vieram as Dark Ale, Strong Golden Ale, Dubbel, Trippel, Quadruppel e por aí vai.

A Escola Belga é marcada por possuir cervejas mais alcoólicas, com aromas espetacularmente frutados, característica das leveduras belgas, e uma variação e combinação de sabores que realmente deixa qualquer um de boca aberta. Sua origem está diretamente associada ao crescimento do poder da Igreja Católica após a queda do Império Romano e ao surgimento de vários monastérios. Nestes locais, os monges produziam cervejas para consumo próprio e atendimento da população local. Com tempo, os monges foram se especializando e aprimorando o processo de fabricação, que tornava cada vez mais diverso o uso de frutas e especiarias, aumentando a complexidade de aroma e sabores das cervejas.

CONFIRA: Tem novidade com B de Brasil no mercado mineiro

Tamanha diversidade e qualidade garantem à Bélgica o título de “Paraiso Cervejeiro”. São várias marcas reconhecidas mundialmente, como Duvel, La Chouffe, Gouden Carolus, Delirium e Hooegarden. Isso sem falar das cervejas Trapistas, que também merecem uma coluna dedicada.

Dentre os destaques de estilos, temos as famosas Witbiers, que combinam muito com verão brasileiro e trazem normalmente fortes notas de laranja e coentro. Dentre as opções de fácil acesso no mercado, sugiro a Baden Baden Witbier (@cervejabadenbaden), disponíveis em garrafa 600ml e latas de 355ml. Um outro estilo de fácil acesso à Escola Belga é a Belgian Pale Ale da Eisenbahn (@eisenbahn), uma das mais fiéis do mercado nacional, apresenta belo equilíbrio entre o sabor maltado e frutado com o amargor do lúpulo.

Por fim, um dos estilos mais saborosos da Escola Belga, na minha opinião, é a Tripel. Uma cerveja normalmente mais dourada, com uma complexidade peculiar, que combina notas frutadas e condimentadas em seu aroma com o dulçor do malte no sabor e um final seco, mas quente e alcoólico. E se o objetivo for conhecer esse estilo, um rótulo local que indico é a Monasterium da Falke Bier (@falkebier). Já uma referencial no mercado é a La Trappe Tripel, que apesar de holandesa, é um belo exemplar da Escola Belga.

Curtam bem a home-folia e cheers!

LEIA TAMBÉM:

Aquele meu amigo que mexe com cerveja!

Como não amar esse pet cervejeiro?!