Pede pra sair

Pede pra sair
Bruno Haddad/Cruzeiro


Olá, Nação Azul!

Chegamos ao oitavo jogo sem vitória e a inércia de quem comanda o Cruzeiro incomoda cada vez mais. O clube é uma nau sem rumo e, agora, estamos literalmente nas mãos de um estagiário que não quer pedir o boné.
Mais uma vez, não vou me alongar sobre a partida, porque o futebol do clube continua aquela coisa horrenda, que, infelizmente nos acostumamos a ver. E, pra variar, no discurso do “estagiário” Mozart, pareceu que vimos o Barcelona jogar no seu famoso “Tiki Taka” e que a bola não entrou por um mero capricho. Me senti literalmente em um episódio de um desenho bem conhecido na década de 90, “O fantástico mundo de Bobby”, em que as coisas pareciam realidade, mas só aconteciam na mente do protagonista. 

Não consigo mensurar a incompetência do senhor Sérgio Santos Rodrigues, outro que parece que vive em um mundo paralelo e estava tranquilo se divertindo na churrascaria do cantor sertanejo Marrone com o time nessa situação. Afinal, pra ele contratar um treinador com um ano de experiência profissional é extremamante normal, mesmo com a nova regra de não demitir mais de dois treinadores na mesma temporada e mais normal ainda ser literalmente refém desta atitude, pois agora ou o treineiro pede demissão ou não podemos contratar outro.

Termino esta coluna rezando para que encontrem uma solução ainda nesta segunda-feira e, parafraseando um dos mais famosos personagens do cinema brasileiro e fazendo um pedido ao nosso treinador, afinal quem nasceu pra ser aspira jamais será Capitão Nascimento e não é digno de vestir nossa farda. PEDE PRA SAIR!!!

LEIA TAMBÉM:

Que o Lúpulo lhe conserve

Datena. Uma vergonha para todos nós

Quatro dicas infalíveis para melhorar a postura na hora de estudar

Coluna Alma Alvinegra: O atleticano em êxtase

Quando o combate à corrupção já não importa

O sono do bebê, a função do pai no processo

Squadra Celeste: A gota d’água

Arancini: o delicioso bolinho com as sobras do risoto