Carrossel de emoções

Carrossel de emoções
Bruno Haddad/Cruzeiro
redutea
banner redutea
banner redutea


Olá Nação Azul, 

Desde 2019 o cruzeirense realmente não tem tido um dia de paz, porém como todo torcedor mantemos a fé de que as coisas aos poucos vão se ajeitar,  o que ainda não aconteceu totalmente.
Essa semana acabou sendo retrato do “carrossel de emoções” que se tornou a vida de quem ama o Cruzeiro, pois após uma derrota frustrante para o Operário veio uma “inesperada” vitória contra o Vasco.
Na coluna anterior ressaltei como jogadores como Matheus Barbosa e Marcinho haviam evoluído com Mozart apenas por serem escalados em suas respectivas posições de origem, sem as invenções do fraquíssimo Felipe Conceição.

No triunfo contra o cruzmaltino carioca isso ficou ainda mais claro, uma vez que o volante ex-Cuiabá acabou sendo o nome do jogo e autor dos dois gols da partida.  Vale ressaltar também que o fator emocional do nosso time parece estar evoluindo, pois apesar de tomar mais um gol nos dez minutos iniciais, o time encontrou forças para virar a partida, coisa que não acontecia desde a vitória contra o Guarani válida pela segunda rodada da Série B do ano passado.

Por fim, queria dizer que apesar de feito no apagar das luzes devido ao “Transfer Ban” que provavelmente sofreremos na próxima semana, os reforços anunciados me agradaram e nomes como Rhodolfo, Wellington Nem, Norberto, Jean Victor e Keké vão nos ajudar bastante na missão de conseguir o tão sonhado acesso.
Agora nos resta esperar o duelo de domingo contra o CSA, que tanto trabalho tem nos dado nos últimos confrontos e torcer para que o embalo seja definitivo.

VAMOS CRUZEIRO!

LEIA TAMBÉM:

BH teve com quem contar na pandemia. E não foi a PBH

Heineken Experience – Um Paraíso Cervejeiro em Amsterdã

A CPI do fim do mundo

Quatro principais erros realizados durante o alongamento

O turbilhão atleticano, um quebra cabeça para Cuca

A guerra das vacinas

É um bom momento para comprar ações? Três formas de saber se uma ação está cara ou barata

O pré-natal masculino: a porta de entrada para a paternidade